Nome científico da Madeira Angelim-Pedra: Hymenolobium petraeum Ducke, Leguminosae.

Observação: nesta ficha são apresentadas informações para a espécie H. petraeum, no entanto existem outras espécies de Hymenolobium, como H. complicatum Ducke, H. elatum Ducke, H. excelsum Ducke, H. heterocarpum Ducke, H modestum Ducke, que são comercializadas no Brasil como angelim-pedra.

Outros nomes populares para a Madeira Angelim-Pedra: angelim, angelim-amarelo, angelim-da-mata, angelim-do-pará, angelim-macho, mirarema.

Nomes internacionais: angelim-pedra (Espanha; Estados Unidos; França; Grã Bretanha; Itália), erejoerde, lialiadan koleroe, saandoe (Suriname), sapupira amarela (ATIBT,1982), St. Martin Gris (Guiana Francesa).

Ocorrência:
• Brasil: Amazônia, Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia.
• Outros países: Guiana, Guiana Francesa, Suriname.

CARACTERÍSTICAS GERAIS DA MADEIRA ANGELIM-PEDRA

Características sensoriais: cerne e alburno distintos pela cor, cerne castanho-avermelhado claro ou escuro, com manchas castanhas mais escuras devido à exudação de óleo-resina, alburno castanho-pálido; brilho ausente; cheiro e gosto imperceptíveis; densidade média; dura ao corte; grã direita a revessa; textura grossa, aspecto fibroso.

Descrição anatômica macroscópica:
• Parênquima axial: visível a olho nu, paratraqueal aliforme, confluente em trechos longos tendendo a formar faixas largas.
• Raios: visíveis a olho nu no topo e na face tangencial na qual sua estratificação (2 a 3 por mm) é regular; finos.
• Vasos: visíveis a olho nu, médios a grandes; poucos; porosidade difusa; solitários, múltiplos, às vezes em cadeias radiais; vazios ou com substância esbranquiçada.
• Camadas de crescimento: distintas, individualizadas por zonas fibrosas tangenciais mais escuras.

Fonte: (IPT,1983)
Observação: informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

CARACTERÍSTICAS DE PROCESSAMENTO

Trabalhabilidade: a madeira de angelim-pedra é fácil de ser trabalhada. Acabamento de regular a bom na plaina, torno e broca. (IBAMA,1997a) É moderadamente fácil de serrar e aplainar; é fácil de pregar, parafusar e permite acabamento satisfatório. (INPA,1991)

Secagem: a secagem é muito rápida em estufa, apresentando pequena tendência a torcimento e arqueamento. (IBAMA,1997a) A secagem ao ar livre é moderadamente difícil. (Jankowsky,1990)

Programas de secagem podem ser obtidos em (IBAMA,1997a; Jankowsky,1990)
Observação: informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

DURABILIDADE / TRATAMENTO

Durabilidade natural: Madeira durável a muito durável em relação a fungos apodrecedores; moderadamente resistente a brocas marinhas e resistente a cupins-de-madeira-seca. (IBAMA,1997a; SUDAM/IPT,1981)

Tratabilidade: o cerne é difícil de preservar e o alburno é muito fácil de preservar, em processo sob pressão, tanto com creosoto (oleossolúvel) como CCA (hidrossolúvel). (IBAMA,1997a)

Observação: informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

PROPRIEDADES FÍSICAS

Densidade de massa (r):
• Aparente a 12% de umidade (rap, 12): 710 kg/m³
• Madeira verde (rverde): 1190 kg/m³
• Básica (rbásica): 590 kg/m³

Contração:
• Radial: 4,1 %
• Tangencial: 6,3 %
• Volumétrica: 10,1 %

Resultados obtidos de acordo com a Norma COPANT.
Fonte: (IBAMA,1997a)
Observação: informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.
Para comparar esses valores de contração (CCOPANT) com aqueles obtidos pela Norma ABNT (CABNT) é necessário transformá-los usando a equação: CABNT = CCOPANT / (1 – CCOPANT / 100).

USOS

Construção civil:

  • Pesada interna: vigas/caibros
  • Leve em esquadrias: portas/venezianas/caixilhos
  • Leve interna, decorativa: forros/lambris
  • Leve interna, estrutural: partes secundárias de estruturas/ripas
  • Uso temporário: pontaletes/andaimes/fôrmas para concreto

Mobiliário:

  • Utilidade geral: móveis estândar

Outros usos:

  • Cabos para cutelaria
  • Lâminas decorativas

PROPRIEDADES MECÂNICAS

Flexão:
• Resistência (fM):
Madeira verde: 70,6 MPa
Madeira a 12% de umidade: 109,3 MPa
• Módulo de elasticidade – Madeira verde: 9414 MPa
• Módulo de elasticidade – Madeira a 12%: 11572 MPa

Resultados obtidos de acordo com a Norma COPANT.
Fonte:
Observação: Informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

Compressão paralela às fibras:
• Resistência (fc0):
Madeira verde: 38,0 MPa
Madeira a 12% de umidade: 52,3 MPa

Compressão perpendicular às fibras:
• Resistência (fc0):
Madeira verde: 6,4 MPa
Madeira a 12% de umidade: 11,3 MPa

Resultados obtidos de acordo com a Norma COPANT.
Fonte:  (IBAMA,1997a)
Observação: informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

Outras propriedades:
• Resistência ao impacto na flexão – Madeira a 15% (choque): 22,6
Trabalho absorvido: 22,6

PROPRIEDADES MECÂNICAS (cont. Compressão)

Resultados obtidos de acordo com a Norma ABNT MB26/53 (NBR 6230/85).
Fonte: (IPT,1989b)
Observação: Informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.
• Cisalhamento – Madeira verde: 10,0 MPa
• Cisalhamento – Madeira a 12%: 12,3 MPa
• Dureza janka paralela – Madeira verde: 5325 N
• Dureza janka paralela – Madeira a 12%: 7659 N
• Dureza janka transversal – Madeira verde: 5050 N
• Dureza janka transversal – Madeira a 12%: 5786 N
• Tração normal às fibras – Madeira verde: 4,2 MPa
• Tração normal às fibras – Madeira a 12%: 3,8 MPa

Resultados obtidos de acordo com a Norma COPANT.
Fonte: (IBAMA,1997a)
Observação: Informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

• Fendilhamento – Madeira verde: 1,1 MPa

Resultados obtidos de acordo com a Norma ABNT MB26/53 (NBR 6230/85).
Fonte: (IPT,1989b)
Observação: Informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

Fonte: ipt.br